quarta-feira - 12 dezembro 2018

ASSISTÊNCIA SOCIAL: SETORES EXTERNOS PASSAM POR REFORMA E AMPLIAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: SETORES EXTERNOS PASSAM POR REFORMA E AMPLIAÇÃO DE SERVIÇOS

A Prefeitura de Marabá, por intermédio da Secretaria de Viação e Obras Públicas (Sevop), este mês, está reformando alguns órgãos externos da Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac), visando conforto aos funcionários, melhoria no atendimento e ampliação de serviços à população.

Nesta terça (12), o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), do bairro Amapá, realiza limpeza de suas dependências, após reforma e adequação de espaços a novos serviços. Na parte física do prédio foram revisados os sistemas elétricos, hidráulicos, pintura, dentre outros detalhes. Recebeu cinco novas centrais de ar, novos computadores e também terá a internet melhorada para receber os programas Criança feliz e Bolsa Família.

Aquela unidade, durante a reforma, praticamente não teve seu atendimento interrompido, foi apenas mudando os serviços de sala em sala, de acordo com a conveniência da obra.

Unidade POP – Também passa por reforma, com obra iniciada nesta segunda-feira (11), a Unidade de Acolhimento à Pessoa em Situação de Rua. Funcionando em prédio alugado na Folha 29, Quadra 16, Lote 1, núcleo Nova Marabá, essa unidade da Seaspac passará por adaptações nos banheiros, portas, rampa de acesso e outros. O serviço, no que tange a atendimento, não será interrompido, mas terá o acolhimento temporariamente remanejado para outro local.

Trata-se de uma casa de passagem, com acolhimento temporário de 10 pessoas (indivíduos e famílias), cujo funcionamento vem desde março/2017.

EAP – E ainda, está em reforma, desde a semana passada, o Espaço de Acolhimento Provisório (EAP), destinado a acolher crianças e adolescentes em situação de risco social (abandono, maus-tratos, etc.). As melhorias acontecem nos sistemas hidráulico e elétrico, piso e telhado.

O EAP também não mudará a rotina de sua clientela em consequência da reforma, ou seja, 30 crianças e adolescentes na faixa etária de zero a 17 anos de idade, seguem no abrigo sem ser incomodados.

ACESSIBILIDADE
X