EDUCAÇÃO: PROJETO DE LEITURA MOBILIZA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL

EDUCAÇÃO: PROJETO DE LEITURA MOBILIZA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL

 

Mal sabem que ler é mágico, você viaja para vários lugares sem ao menos se mover. Durante o projeto, aprendi palavras novas, sentimentos diversos e pude encontrar a paz durante uma leitura

As escolas públicas de Marabá desenvolvem projetos que estimulam a leitura e oralidade dos alunos de 6º ao 9º ano, da rede pública, e recebem apoio da Semed (Secretaria Municipal de Educação). A Escola Municipal “O Pequeno Príncipe”, localizada à Folha 32, todos os bimestres, realiza a “Roda de Leitura”, nas aulas de Língua Portuguesa. A ideia mobiliza a escola, aumenta a frequência de visitas à biblioteca, melhora a escrita, amplia vocabulário, e ainda, desenvolve um hábito quase perdido: a leitura do livro.

A maioria dos estudiosos contemporâneos considera difícil tarefa competir com a tecnologia, no que diz respeito ao ensino-aprendizagem. Para os teóricos, jovens de hoje, preferem bem mais os aplicativos disponíveis em smartphones, para se entreterem, do que folhear um livro, por exemplo. Entretanto, o hábito da leitura está sendo resgatado na “O Pequeno Príncipe”.

Como parte da avaliação somativa, em cada bimestre, é proposto a leitura de um livro, de gêneros diversos. Posteriormente, na sala de aula, as cadeiras são organizadas em roda, e cada aluno vai contando sua história, despertando no outro o interesse de conhecer novas narrativas.

A professora Emilly Coelho, que coordena o projeto na instituição de ensino, lembra que ao contrário da rede particular, que visa estritamente lucros como resultados e aprovações, a escola pública possui uma função social, segundo o Projeto Político Pedagógico, que consiste em formar cidadãos, neste caso, cidadãos leitores. “Que não apenas decodifiquem os códigos linguísticos, mas que vejam sentido naquilo que leem, desenvolvendo, consequentemente, outras habilidades, como oralidade e escrita”, frisou a professora.

Pertencente ao quadro efetivo de docentes da Escola “O Pequeno Príncipe”, a professora de Língua Portuguesa, Francilene Tinoco, também desenvolve a “Roda de Leitura” nas séries do Ensino Fundamental, na concepção dela, o que mais a surpreendeu foi o fato dos alunos tímidos, que não interagem, terem oportunidade de falar e mostrar que possuem o domínio da oralidade. “Foi o momento de revelação de habilidades, durante as atividades não dá para perceber muitos talentos. Eles conseguiram também concatenar as ideias, contaram início, meio e fim, construíram um discurso bem elaborado. Assim como, na produção, utilizaram um vocabulário mais apropriado”, sintetizou a professora.

No último dia 11, o D na Escola, foi realizada uma oficina de leitura voltada para os pais dos alunos do “Pequeno Príncipe”, a fim de que eles incentivem os filhos a lerem. Dinâmicas, vídeos, materiais concretos e leituras foram as metodologias usadas durante a oficina. “Com os pais a oficina foi produtiva. Sabemos que ela não é esgotável, esse foi o primeiro passo. Aguçou neles o hábito de desenvolver a leitura. Eles estavam bem motivados. Ficou um gostinho de quero mais. Sentimos nos pais uma parceria”, explanou Francilene Tinoco.

ALUNAS

A estudante Caroline Vitória Silva Milhomem, tem 14 anos, e cursa o 9º ano do Ensino Fundamental. Ela leu o livro “Mulheres da China”, e se emocionou ao conhecer e contar a cultura de mulheres daquela localidade. Caroline contou que ler é algo que muitas pessoas não praticam ou simplesmente não gostam. “Mal sabem que ler é mágico, você viaja para vários lugares sem ao menos se mover. Durante o projeto, aprendi palavras novas, sentimentos diversos e pude encontrar a paz durante uma leitura”.

Quem também participou da Roda de Leitura, foi Sofia Vieira Gomes, ela também tem 14 anos, e pertence a mesma classe de 9º ano. “É muito importante lermos para adquirirmos conhecimento, aprendermos coisas novas, outras palavras e conhecer escritores. O projeto de leitura criado pela professora Emilly fez com que nós adquiríssemos tudo isso. Podemos ler o livro que quisermos e tirar lições para as nossas vidas, independente da obra. Isso é extremamente maravilhoso”.

A Semed realiza mensalmente formações voltadas para professoras da sala de leitura. Há também o grupo Marabá Leitora, com agenda lotada, professoras da Secretaria Municipal de Educação levam uma espécie de biblioteca viva para as escolas, no formato de contação de histórias.

 

 

ACESSIBILIDADE
X