SAÚDE: CCZ SEGUE NO CONTROLE DA RAIVA E DA LEISHMANIOSE VISCERAL

SAÚDE: CCZ SEGUE NO CONTROLE DA RAIVA E DA LEISHMANIOSE VISCERAL

Dentre as diversas atividades do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) duas chamam a atenção: controle da leishmaniose visceral e raiva animal. Comuns na região, visto que os vetores (morcego hematófago e mosquito palha) são endêmicos das florestas tropicais a raiva já não aparece em cães e gatos desde 2011; enquanto a leishmaniose vem diminuindo ano a ano. Nesse contexto, o CCZ tem sido um grande aliado da Vigilância em Saúde de Marabá.

Para o controle da leishmaniose visceral, o CCZ acompanha a saúde dos cães na área urbana, a partir de testes rápidos, bem como por meio de inquérito canino nos setores onde há suspeita da doença. E também, durante as madrugadas, a carrocinha faz a busca de animais errantes. Todos esses cães passam por teste contra leishmaniose; os positivados são eutanasiados, enquanto os sadios são devolvidos aos donos ou, se não procurados, levados para doação, pela ONG Focinhos Carentes.

Quanto à raiva animal, além do apoio da carrinha na apreensão de animais errantes, o CCZ participa ativamente da Campanha de Nacional de Vacinação Antirrábica, imunizando cerca de 50 mil animais todos os anos. E ainda, de domingo a domingo, no próprio Centro de Zoonoses é feita a vacinação, especialmente dos animais novos, nascidos no intervalo das imunizações anuais.

De acordo com Nagilvan Amoury, veterinário do CCZ, mais de 100 cães e gatos são levados semanalmente aquele centro de saúde animal para algum procedimento: teste rápido de leishmaniose, vacinação contra raiva ou castração.

Outra preocupação do veterinário do CCZ é com o trânsito de animais de grande porte (equinos, muares e bovinos) pelas ruas e estradas de Marabá. O número de apreensões desses animais diminuiu, “talvez em razão da multa cobrada para retirá-los do curral”, mesmo assim três acidentes graves, envolvendo vaca e cavalo, foram registrados este ano. Em dois, os animais levaram a pior; em um deles, agora em maio, o condutor de uma moto também veio a óbito ao se chocar com uma vaca na Rodovia transamazônica.

Deixar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *