A Prefeitura de Marabá, por intermédio da Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac), mantém na Folha 29, Nova Marabá, o Acolhimento provisório para pessoas adultas e famílias em situação de rua, denominado Acolhimento POP, criado em 2017, com o objetivo de atender usuários de ambos os sexos, na faixa etária de 18 aos 59 anos, em consequência das mais variadas situações de vulnerabilidade. No período de janeiro a novembro/2019, aquele centro atendeu 210 pessoas em situação de risco, com permanência variável de um dia até seis meses.

Segundo Maria Goreth Gomes Rodrigues, Coordenadora do Acolhimento POP,  é um abrigo provisório, na modalidade institucional, destinado ao acolhimento provisório de pessoas ou grupo familiar com ou sem filhos, que vivenciam violação de direitos e vulnerabilidade social em situação de rua, entre outros. O acesso ao POP acontece por demanda espontânea e por encaminhamento da rede.

Trata-se de uma Unidade Operacional de Alta Complexidade da SEASPAC, onde o acolhido além ter moradia temporária, recebe alimentação, roupa lavada, atendimento psicológico e social e encaminhamento para solução de seu problema.

No momento, o POP tem capacidade limitada para acolher oito indivíduos: cinco vagas para o sexo masculino e três vagas para o sexo feminino. Porém, devido a grande demanda, será ampliado para 15 vagas: 10 homens e cinco para mulheres.

Demanda 2019

No período de janeiro a novembro de 2019, 27 pessoas foram abrigadas em períodos mais longos, entre um a seis meses, sendo 18 homens, cinco mulheres e quatro idosos de ambos os sexos. Enquanto outros 183 usuários de todas as faixas etárias estiveram em trânsito, com estada variando de um dia a um mês, inclusive 27 crianças e oito adolescentes.

No geral foram garantidas 113 passagens com recursos da própria Seaspac; 29 passagens concedidas por doações e gratuidades. Outros 68 usuários não receberam passagens por não atenderem as exigências dessa concessão.

Texto: João Batista
Fotos: Divulgação