Covid-19: Comércio de Marabá intensifica medidas de higiene

As recomendações de higiene para o funcionamento do comércio em Marabá foram intensificadas para evitar a disseminação do novo coronavírus. Em todos os setores, o uso de máscaras e de álcool 70 para desinfecção das mãos é condição obrigatória para funcionários e clientes. O cumprimento das medidas para conter aglomerações está sendo fiscalizado rigorosamente pela Vigilância Sanitária.

Para os comerciantes que precisam da movimentação financeira, a responsabilidade tem sido conscientizar e orientar o público sobre o cumprimento das recomendações de higiene dentro dos estabelecimentos. No supermercado onde a Alzilene Silva trabalha como locutora, além de oferecer álcool e cobrar o uso da máscaras, há restrição de número de pessoas por família para adentrar no local.

“Todos os setores estão sinalizados, mantendo a distância de 1,5 m e continua o cuidado de sempre, ao entrar na loja o álcool em gel. E só é permitida a entrada de duas pessoas por família”, explica.

Já Daiana Coelho conta que, na loja onde trabalha, houve resistência de clientes em obedecer as orientações no início, por isso, o estabelecimento chegou a ofertar máscaras descartáveis. De acordo com ela, a obrigatoriedade por meio de decretos ajudou na conscientização.

“Antes a gente estava tomando todas as medidas com os funcionários e as marcações de distância com os clientes. Mas com o decreto se tornou obrigatório uso de máscaras para todos os clientes e funcionários. É lei. E hoje a gente recebeu mais uma orientação da vigilância sanitária, de que as criança com até 7 anos, não podem adentrar o estabelecimento” destacou.

funcionária do supermercado
Alzilene Silva
funcionária de loja de utensílios
Daiana Coelho

 

 

 

 

 

 

Daniel Soares, coordenador da Divisão de Vigilância Sanitária em Marabá, explica que as equipes trabalham diariamente nas ruas, inclusive em parceria com os órgãos de segurança, como a Guarda Municipal, Departamento Municipal de Trânsito e Postura, para o cumprimento dos decretos do Estado e do município que regem sobre o funcionamento do comércio.

 “A vigilância sanitária está visitando todos os comércios e realizando fiscalizações, tomando as medidas necessárias, de orientar, notificar e, se for o caso, interditar o estabelecimento”, informou.

Conscientização 

Para fazer as compras, Sâmara Lima não descuida da máscara caseira. Na quarta-feira (22) ela foi ao supermercado e, ao ver as medidas de higiene no local, se sentiu mais segura. “Eles passam o álcool nas mãos, higienizando os carrinhos. Me senti protegida. Eu também tomando todas as precauções quando saio e volto para casa, para não correr risco de contaminar quem fica em casa”, enfatizou.

Cinthia Oliveira precisou ir ao comércio na Velha Marabá. Segundo a cozinheira, em tempos de covid-19, a máscara caseira tem sido acessório indispensável. Ao chegar em uma loja de venda de utensílios, ficou mais aliviada ao perceber o cumprimento das medidas de higiene.

“Senti que melhorando, as pessoas estão usando máscaras, álcool em gel, alguns de luvas. Isso é bom porque sinto que é pra nossa segurança. Tenho um filho de 2 anos e outro de 7 e quando chego em casa vou logo para o banho, passo álcool para não ter contato com eles. sentindo que vai melhorar e a gente vai sair dessa” disse.

Sâmara Lima
Cinthia Oliveira

 

 

 

 

 

 

Denúncias

A Divisão de Vigilância Sanitária recomenda que a população ajude as autoridades no combate às aglomerações ligando para a central de denúncias no telefone (94) 3323 – 2020.

Texto: Leydiane Silva 
Fotos: Sérgio Barros

Acessibilidade