Covid-19: Estabelecimentos comerciais não essenciais, que continuam abertos, podem ser interditados

A Prefeitura de Marabá, por intermédio da Divisão de Vigilância Sanitária (Divisa), vem trabalhando diuturnamente na fiscalização do comércio, seja nos estabelecimentos de venda ou serviço considerados essenciais a cumprir o uso de máscaras e álcool em gel ou álcool 70 e o distanciamento de um metro e meio das pessoas, seja nos estabelecimentos não essenciais a se mantenham fechados, visto que ainda é grande o número de comerciantes que descumprem os decretos, contribuindo para a aglomeração de pessoas.

Segundo Daniel Soares, coordenador da Divisa, na semana passada, em ação integrada com Polícia Militar, Guarda Municipal de Marabá (GMM) e outros, foi realizado serviço educativo para orientar o comércio não essencial a manter-se fechado, diante da necessidade de conter o avanço do novo coronavírus, causador da covid-19.

Agora, o serviço é mais de inteligência, serão fotografados os estabelecimentos que insistem em ficar abertos, para que se obtenha provas do descumprimento dos decretos. E, em data oportuna, acontecerá operação para interdição dessas lojas flagradas. O trabalho, que deve contar com apoio da GMM, será feito por amostra, selecionando as principais lojas, para interdição oficial. No caso de tentativa de resistência, a situação será encaminhada à Polícia.

No que tange aos ambulantes, nesse período de pandemia, só é permitido seguir na ativa àqueles que trabalham com alimentação, desde que mantenham as boas condições de higiene e trabalhem em conformidade com a legislação estabelecida.

Texto: João Batista
Foto: Arquivo 

Acessibilidade