Cultura: Dia do Folclore é marcado com programação especial para estudantes

A encenação da lenda da Matinta Pereira foi uma das principais atrações nesta quinta-feira, (22), na Praça São Félix do Valoís, na Marabá Pioneira. A lenda da velha bruxa do norte do país foi contada para mais de 300 alunos das escolas Branca de Neve, Mendonça Virgulino e da Ong Futuro Melhor num dia cheio de encantos e histórias em comemoração ao dia nacional do Folclore Brasileiro, promovido pela Biblioteca Municipal Orlando Lobo, instituição vinculada à Secretaria de Cultura.

Professora Marluce interpretando a Matinta

Marluce Caetano faz a performance da Matinta Pereira há cinco anos. A transformação no personagem leva cerca de 30 minutos. A educadora é coordenadora do programa “Marabá Leitora” da Secretaria Municipal de Educação e diz que contar as lendas  por meio da personificação das vestes e maquiagem é importante para resgatar as origens das lendas e valorizar o folclore já que mexe com o imaginário das crianças. “Eles lêem, já sabem mais ou menos a história, e daí retratam. É a minha performance preferida, parece que quando eu me transformo em Matinta realmente eu estou na presença da mata, do rio, dessa fauna aqui do Pará”, enfatizou a educadora.

O professor Walisson Tafarel  e sete adolescentes da Ong Futuro Melhor apresentaram a dança do boi fazendo referência ao povo indígena . O projeto de dança tem apenas dois meses de existência e a estreia aconteceu justamente  no dia do folclore. “A parceria com a Biblioteca vem de muito anos e viemos apresentar a cultura indígena porque o folclore é a mistura de culturas. Trouxemos isso para aprimorar o conhecimento das crianças, através da pintura, das roupas, da dança” ressaltou o professor.

A pequena Angelina Vitória, de 11 anos,  estava satisfeita com a programação. A aluna do 5º ano da Escola Mendonça Virgulino, disse que já conhece as lendas e histórias, mas deixou claro que prefere ter contato com o folclore de forma mais dinâmica, como a que foi apresentada na Praça São Félix de Valoís. “Eu achei muito legal eles terem feito essa apresentações, as histórias, os poemas, ficou muito interessante”, destacou a estudante.

Angelina Vitória

Na programação teve ainda apresentação da dança do carimbó, feita por alunas da escola Branca de Neve e integrantes do grupo Mayrabazinho. O escritor Adão Almeida também arrancou gargalhadas e chamou atenção com contação de piadas e poemas  regionais. Além disso, estudantes da escola recontaram algumas lendas.

Para Evilângela Lima, coordenadora da Biblioteca Municipal, a programação é uma oportunidade de desenvolver o objetivo da Biblioteca que é de fazer com que a tradição se perpetue, que continue, sempre contando histórias para novas gerações. “A gente teve a grata alegria de ver a participação das escolas e esse tipo de coisa ajuda a criança a manter na memória as tradições populares, e não deixar morrer a nossa cultura, nosso folclore, nosso objetivo é que eles aprendam e recontem” afirma a coordenadora.

Texto: Leydiane Silva

Fotos: Paulo Sérgio dos Santos

ACESSIBILIDADE
X