Educação: Com mais de dez anos de fundação, a EMEF Albertina Moreira, na Folha 06, ganha revitalização

A revitalização da Escola Municipal Albertina Sandra Moreira dos Reis, na Folha 06, Nova Marabá, iniciou há uma semana, garantindo autoestima da comunidade. O prédio construído há 12 anos, na época por meio de uma parceria entre a Associação da comunidade e o Governo do Estado, nunca havia sido reformado antes, comprometendo a estrutura física da escola e até mesmo o aprendizado dos alunos.

Juciene Jacob, engenheira da Secretaria Municipal de Viação e Obras (Sevop), informa que a revitalização contempla o telhado, piso, partes hidráulica e elétrica, troca das esquadrarias (porta e janelas para proporcionar acessibilidade), quadra de esportes, adequação da sala multifuncional e cozinha, além de outros serviços, como o aumento de toda a extensão do muro.

“Vai mexer em toda parte elétrica porque os fios são muito antigos, então a fiação vai ser substituída. Vamos trabalhar a parte hidráulica dos banheiros. Vamos fechar as salas. Aquelas paredes de tijolos, vamos rebocar e na parte de cima, colocar janelas para deixar prontas para climatização. O muro vai ser aumentado mais um metro em toda a extensão. O telhado da quadra vai ser todo trocado, e os equipamentos esportivos também. Na cozinha vamos trocar lajotas, piso, fazer adequações”, enfatizou a engenheira.

A escola atende 520 crianças nos anos iniciais do ensino fundamental, 1º ao 5º ano, em dois turnos. Apesar de ser completa, contando com 10 salas de aula, salas de leitura e multifuncional, laboratório de informática, quadra esportiva, dentre outros espaços importantes, as deficiências estruturais do prédio não passavam despercebidas tanto pela comunidade escolar, quanto pelos moradores do bairro.

Para Marceli Izaias Silva, gestora da escola, o momento é de alegria e comemoração, tanto pelo crescimento no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que passou de 3.9 para 4.7, quanto pela chegada da tão sonhada revitalização. Segundo ela, nos últimos três anos, a equipe vem lutando reconquistar a credibilidade e confiança da comunidade. A gestora lembra que por causa das condições físicas da escola, dentre outros fatores, inclusive externos, houve momentos que a instituição escolar enfrentou a baixa procura de matrículas.

“A Semed teve a preocupação de organizar primeiro internamente. E aí a gente veio com outro olhar, com outras práticas, experiências. A comunidade em dois anos voltou a ter credibilidade, se envolve. Então assim, internamente nós conseguimos organizar o trabalho. Agora com essa questão da reforma, externamente, a Escola Albertina vai ter uma nova realidade, vai viver um novo tempo”, afirma a gestora.

Diretora Marceli Izaias Silva

Dona Niciane tem duas filhas, uma que é  ex-aluna, Jairane Figueredo, de 17 anos, e outra que estuda o 5º ano na escola e sabe da necessidade das mudanças por lá. “É muito bom ver a escola sendo arrumada, adaptada para as crianças”, comenta a dona de casa.

Feliz por presenciar o início da reforma, Jairane, descreve as lembranças ruins do tempo em que estudou na EMEF Albertina. “Aqui a gente não podia brincar na quadra porque os meninos de fora tomavam conta, arrancavam as grades, enfim era muito ruim. Agora eu estou muito feliz porque o que eu não tive, outras crianças vão poder ter. Vai melhorar muito na aprendizagem delas”, observa a adolescente.

Naiane
Niciane e Jairane

A empresa responsável pela reforma é Amancio Neto Eireli. A previsão de conclusão é de oito meses, mas de acordo com a diretora, a Sevop, garantiu agilizar a entrega de, pelo menos as salas de aulas, para o início do ano letivo de 2021. O valor da obra está estimada em R$ 641.458,34.

Texto: Leydiane Silva
Fotos: Aline Nascimento
Veja algumas fotos 
Acessibilidade