FEIRA DO LIVRO: MAIS DE 350 ALUNOS DA ZONA RURAL DE MARABÁ VISITAM A FEIRA DO LIVRO.

“Experiência única, nunca tivemos essa oportunidade e agora as escolas do campo estáo mostrando suas atividades. Maravilhoso” Professora Janha Cristina da Silva

Mais de 380 alunos da Zona Rural de Marabá movimentaram o auditório João Brasil, neste sábado, (28), no segundo dia do Salão do Livro, no Carajás Centro de Convenções. Ao todo, 17 escolas do campo levaram para o palco apresentações culturais que abordaram os mais diversos temas tratados em projetos trabalhados em ambiente escolar com os alunos. Tudo isso, através da dança e do teatro.

Eros Jara Souza, aluno do 9º ano do ensino fundamental, da Escola Carlos Marighella, descreveu com entusiasmo a apresentação da turma no evento porque deu visibilidade para a instituição. Eles enfatizaram o respeito à mulher e a importância do papel feminino na sociedade. “Nós preparamos para o dia 08 de março, mas se destacou dentre outras apresentações e nós viemos de uma vez, mas valeu a pena” destacou o aluno.

Na mesma perspectiva, Lucas da Silva, carregava consigo a boneca Maria, uma personagem que no teatro morreu vitima da violência doméstica. Ele é aluno da Escola Municipal João XXIII, da Vila Café. A instituição chamou a atenção para a problemática dos crimes contra a mulher.  “É algo muito especial levar o reconhecimento da escola, conhecer muita gente”, enfatizou o adolescente.

Para a professora Janha Cristina da Silva, o Salão do Livro é uma oportunidade única de incentivar e valorizar os estudantes do campo, bem como, propiciar um ensino-aprendizagem de forma dinâmica. “Experiência única, nunca tivemos essa oportunidade e agora as escolas do campo estão mostrando suas atividades. Maravilhoso”, afirma ela.

Quem também esteve acompanhando os estudantes foi Ana Célia Batista, diretora da escola Pedro Marinho, na Vila Brejo do Meio, distante 20 quilômetros de Marabá. Para a educadora a feira é um momento ímpar que tem proporcionado grandioso significado na vida das comunidades escolares presentes ali. “Quando se fala de leitura e literatura os alunos só tem a ganhar” disse ela fazendo menção a exposição.

Lúcia Batista, coordenadora pedagógica da Educação no Campo da Semed,  ressalta que a secretaria fez questão de mobilizar  as escolas da zona rural para conhecer e participar  do Salão do Livro. “Vimos no Salão do Livro uma oportunidade das nossas escolas trazerem os projetos educativos e estarem socializando…é um momento significativo”. Ao fim das apresentações os alunos fizeram um passeio pelos corredores da feira. O Salão do Livro conta com 32 estandes, 100 editoras e 10 mil títulos diversificados.

Outro ambiente com grande visitação tem sido a sala das atividades infantis. Lá acontece contação de histórias, brincadeiras e músicas educativas. Reginaldo Amorim faz parte do grupo Missão Kids . Os bonecões encantam as crianças. “Estamos nesse momento especial falando de livros e a bíblia é um livro especial, no qual estamos mostrando através de músicas e histórias”, afirma, o técnico em edificações e voluntário.

Já no Sala Pará, o ambiente foi preparado para a realização de oficinas e rodas de conversas. Na tarde de sábado, artistas marabaenses da galeria Vitória Barros, bateram um papo descontraído com universitários da Unifesspa, sobre as artes visuais no município. Eles contaram sobre suas experiências e inspirações para o desenvolvimento das atividades artísticas. “É enriquecedor, é um evento que deveria ter mais e só enriquece as artes visuais” observou a professora da Unifesspa, Leila Maria dos Santos.

José Scherer, secretário municipal de cultura, avalia que o público tem dado respostas positivas ao evento. De acordos com ele mais de 15 mil pessoas visitaram a feira somente no dia de ontem. “ Temos uma diversidade cultural fantástica, só perde que não vem e ainda aproveita para conhecer o Centro de Convenções”, salientou o secretário.

Fotos: Magno Barros – Paulo Sérgio / SECOM – PMM

Texto: Leidiane Silva / SECOM – PMM

ACESSIBILIDADE
X