Uma ação voltada para atender à saúde dos homens, devido o mês de prevenção ao câncer da próstata e outras doenças, foi promovida nesta sexta-feira (29), na Unidade Básica de Saúde Enfermeira Zezinha. Com o tema “Agora é a vez dos homens”, o evento foi idealizado e realizado pelo projeto de trabalho social (PTS) da Grota Criminosa, uma iniciativa da Secretaria de Viação e Obras Públicas – Sevop, em parceria com  Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac), Superintendência de Desenvolvimento URbano (SDU), Secretaria de Cultura de Marabá, Secretaria de Saúde do Estado e DMTU.

De acordo com a coordenação do projeto foram realizados mais de cem atendimentos entre exames de PSA (Antígeno Prostático Específico, sigla em inglês), medição de pressão, testes de glicemia, diabetes, palestras e distribuição de panfletos informativos sobre o câncer da próstata, riscos, sinais, sintomas, diagnóstico e tratamentos.

O público-alvo eram os homens residentes na Folhas 23, 22, 15 e áreas próximas, como Folhas 14 e 25. A ação iniciou às 8 horas da manhã atraindo muitas pessoas. Além das informações repassadas à comunidade como orientações sobre prevenção, tratamento, onde fazer os exames pela rede pública, houve entrega de lanches, cartilhas informativas e brindes a todos os participantes.

Exame do PSA

Os exames mais indicados para avaliar a saúde da próstata são a análise sanguínea do PSA e o toque retal, que devem ser realizados todos os anos por homens com mais de 50 anos de idade.

O Antígeno Prostático Específico é uma substância produzida unicamente pela próstata e a sua descoberta e utilização como marcador tumoral de câncer da próstata significou um verdadeiro divisor de águas no diagnóstico desse tipo de câncer. Antes do PSA, o diagnóstico do câncer da próstata era realizado somente pelo toque retal e, na maioria das vezes, realizado de modo tardio, ou seja, sem possibilidade de um tratamento curativo. O homem pode procurar qualquer unidade de saúde em Marabá para encaminhamento do exame do PSA, como também receber orientações sobre a doença.

 

 

 

 

 

 

 

Texto: Victor Haôr
Fotos: Divulgação