Saúde: Com média de 20 partos diários, HMI oferece UTI Neonatal com cuidados intensivos para recém-nascidos

(12 de janeiro de 2021)

O HMI é a maternidade referência para 23 municípios da região e conta com 10 leitos de UTI Neonatal, sendo 04 de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e seis de Unidade de Cuidado Intermediário.

Na UTI Neonatal do Hospital Materno Infantil de Marabá (HMI) a mamãe Clícia Helena Oliveira, de 35 anos, acompanha atenta o desenvolvimento da filha Helena Vitória. Ela é a quinta filha de Clícia e nasceu há cinco dias, prematura, com 7 meses. Devido ao baixo peso, aproximadamente 1,2 quilos, ela precisa dos cuidados intensivos para o crescimento saudável.

“Eu estava consciente por causa do meu problema de saúde. Tive problemas de pré-eclâmpsia e passei 17 dias internada aqui no hospital, em tratamento. Tentaram o máximo que puderam pra manter ela na barriga, mas aí tiveram que tirar, porque tava correndo risco. Foi um risco também, mas agora ela tá aí e estamos confiantes que vai dar tudo certo. Graças a Deus tem a Neonatal. Tô confiante e quero que ela ganhe peso logo para eu levar ela pra casa”, disse a mãe, que é do município de Rondon do Pará.

O caso da Helena Vitória é apenas um das dezenas situações que ocorrem mensalmente na maternidade municipal, que atualmente conta com 10 leitos de UTI Neonatal, sendo 04 de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, 04 de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCI-NCo) e ainda 02 de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCI-NCa).

Clícia Helena, mãe da Helena Vitória

Alba Valéria Rocha, médica pediatra responsável técnica pelo espaço esclarece que os leitos nem sempre são ocupados apenas por bebês doentes, mas também por recém-nascidos que muitas das vezes apresentam simples desconfortos respiratórios.

“Por ser um recém-nascido já tem indicação de UTI. Na UTI ele vai ser monitorizado, a gente vigia, tem enfermagem 24 horas, tem médico 24 horas. Então todo bebê que tem algum problema inicialmente, nas primeiras horas de vida, ele já é trazido pra UTI”, explica a pediatra.

A médica acrescenta ainda, que a UTI Neonatal do HMI é somente para atendimentos clínicos, ou seja, os casos que precisam de cirurgia são transferidos para o Hospital Regional que conta com centro cirúrgico. No entanto, ela ressalta que por vezes, os leitos do HMI ficam totalmente ocupados devido à demanda.

“Somos um hospital de portas abertas, temos 04 leitos de UTI, 06 UCI e às vezes ocupamos os 10 leitos com bebês graves. Então a partir do momento que a gente ocupou os 10 leitos, a gente acaba encaminhando para o Regional, se surgir a vaga. A gente não tem como recusar paciente e muitas vezes chegam aqui dos outros municípios sem a regulação”, detalha Alba Valéria.

Pediatra Alba Valéria Rocha

Até a tarde de segunda-feira (11), três recém-nascidos estavam recebendo os cuidados na UTI. Situação bem diferente dos últimos dias de 2020, quando o espaço teve 100% dos leitos ocupados, segundo a pediatra. Ela que trabalha há 17 anos na área comemora os avanços no tratamento pediátrico na maternidade do município.

“A gente começou no Municipal, era só um embrião, e hoje na verdade é um sonho, a gente conseguiu. Tudo bem que temos nossas limitações, como todo ser humano, como todo serviço público, ou particular que seja, a gente tem consciência que se não fosse esse espaço seria mais difícil. E temos consciência do valor e da importância, muitas vidas são salvas aqui sim”, pontua a médica.

O HMI é uma maternidade referência pra toda a região sudeste do Pará. Por dia, são realizados uma média de 20 partos, cerca de 500 nascimentos ao mês.

Veja as fotos:

Texto: Leydiane Silva
Fotos: Aline Nascimento