Saúde: Coordenação de Endemias desenvolve cronograma de ações de combate ao Aedes

Desde a semana passada, agentes de combate a endemias (ACE) percorrem o bairro Independência à procura de focos do mosquito Aedes Aegypti, orientando a população a manter os ambientes limpos e sem depósitos de água parada. Até o momento, as moradias da parte mais alta têm menos mosquitos, havendo maior proliferação desses insetos nas áreas mais baixas, próximas ao Rio Itacaiunas, onde existem muitos terrenos baldios, cheios de mato e lixo.

Na segunda-feira, 03 de fevereiro, em visita ao quarteirão das avenidas Paraíso com Boa Esperança, moradores falaram da presença de mosquito, porém com maior intensidade à noite, sem a verificação de ataques na hora da visita dos ACE, ao contrário do que aconteceu nas vias próximas ao rio.

Na Quadra 10, da Avenida Paraíso, uma moradora disse ter sido acometida por dengue há cerca de quatro anos, mas desde então ninguém mais teve doenças relacionadas ao Aedes. A casa estava dentro dos padrões exigidos pela Vigilância em Saúde. Porém, a vizinha Geralda Maria Machado Silva, residente na mesma quadra, tinha larva de mosquito em depósito de água para animais. Foi recomendada a trocar a água e lavar bem o vasilhame com esponja e sabão, ao menos de dois em dois dias.

Por sua vez, Nita Feitosa, que reside um pouco mais à frente, embora não tenha a presença de larva de mosquito, dispõe de um tambor de água descoberto. A ACE recomendou providenciar tampa para o reservatório, até porque das quatro pessoas da residência três já adoeceram de chikungunya, há de dois anos.

Na Travessa Gabriel Pimenta, Quadra 21, Lote 19, dona Telma Rodrigues tem muito coisa velha no quintal, cria porcos, galinha e cachorro, que nesse caso tem a ver com a transmissão de leishmaniose, mas é uma situação ligada à Vigilância Sanitária.

Lembrando que para evitar a proliferação da dengue, não acumule água parada e para evitar o mosquito palha, transmissor da Leishmaniose, é preciso manter os locais limpos, sem mato e lixo.

Fumacê

Amadeu Moreira, coordenador de Endemias e Vigilância Ambiental, disse que o fumacê já foi aplicado em locais pontuais, especialmente a pedido, como alguns postos de saúde (Crismu e Jaime Pinto), mas há um cronograma aprovado pela Secretaria de Saúde para borrifar mais de 20 localidades, com maior proliferação do Aedes, como Folha 19, Jardim União I e II, São Félix Pioneiro, Independência e outros.

A borrifação acontece ao cair da tarde, por volta das 18 horas, quando o mosquito sai para se alimentar. Segundo a relação enviada pela Coordenação de Endemias, o fumacê será intensificado a partir de 19 de fevereiro, com maior ênfase no mês de março.

Texto: João Batista
Fotos: Divulgação 

Veja as fotos 

Acessibilidade