Saúde: CTA/SAE adquire novo equipamento para testagem de carga viral de HIV e Hepatite C

O Centro de Testagem e Aconselhamento/Serviço de Atendimento Especializado (CTA/SAE) de Marabá recebeu um novo equipamento que permite a realização do teste de carga viral em pacientes com HIV e Hepatite C. Atualmente esse tipo de exame é feito em um laboratório em Belém e demora de 30 a 40 dias o resultado, que com o novo aparelho poderá ser em 1h30min.

Os funcionários do CTA/SAE passaram por capacitação para aprender a usar o novo aparelho. O bioquímico do CTA/SAE, Jan Marques, cita que é uma grande satisfação a implantação do novo exame no laboratório. “O exame quantifica o vírus no organismo. Serve para identificar se o remédio está fazendo efeito, por exemplo. Mensurar como o vírus está se desenvolvendo. Com isso, saberemos o estágio da doença no paciente”, explica.

O equipamento foi entregue pelo Ministério da Saúde a duas cidades do Pará, sendo Marabá e Santarém as selecionadas. Naira Soares do Amaral, especialista de aplicações da empresa que desenvolveu o aparelho, foi a responsável por ministrar as aulas de capacitação. “É uma técnica de alta geração, com alta sensibilidade e que geralmente requer um centro especializado em biologia molecular. A vantagem desse aparelho é descentralizar esse tipo de teste que só acontecia em grandes centros”, comenta.

Atualmente o CTA/SAE tem 2831 pessoas cadastradas no programa de HIV/AIDS e 212 em tratamento de Hepatite C. Importante ressaltar que esses números equivalem a 11º região, que abrange 19 municípios, entre eles Marabá. A gerente do CTA/SAE, Katiane Chaves, comemora a agilidade que a nova aquisição trará aos pacientes. “A evolução é inestimável. Se antes levávamos uns 40 dias para acompanhar 150 pacientes por mês, através de Belém, agora poderemos ter um total de 350 pessoas/mês acompanhadas na unidade”, destaca.

Katiane ressalta que o novo aparelho começará a funcionar em breve. “O aparelho já está na unidade e já foi realizada a capacitação dos funcionários, mas ainda haverá algumas reuniões entre o Ministério da Saúde, o Estado e nós do CTA/SAE para acertarmos os últimos ajustes e detalhes para começarmos a atender a população”, finaliza.

Texto: Osvaldo Henriques

Fotos: Paulo Sérgio

 

Acessibilidade