Saúde: Idosos preferem vacinar pela manhã

(5 de março de 2021)

Vacina domiciliar está acontecendo para idosos acamados e drive-trhu para os que possuem dificuldade na locomoção

Durante o período da tarde, a procura de idosos a partir de 80 anos pela vacinação contra COVID-19 é considerada baixa em relação à manhã. Alguns idosos chegam a madrugar nas escolas, ansiosos pela imunização. Neste sábado (06), a vacinação estende-se para pessoas a partir dos 75 anos. Nesta etapa do plano de imunização as doses administradas são da Covishield, desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com o laboratório AstraZeneca.

São cinco pontos fixos de vacinação EMEF Judith Gomes Leitão (Marabá Pioneira), EMEF Irmã Theodora (Núcleo Cidade Nova), EMEF Jhonatas Pontes Athias (Núcleo Nova Marabá), EMEF Paulo Umbelino Ferreira (Morada Nova), EMEF Evandro dos Santos Viana (Núcleo São Félix). Os documentos necessários são RG, CPF, Cartão do SUS e comprovante de residência. Os cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção estão sendo vacinados no formato drive-trhu (através do carro), já outros pacientes acamados são imunizados à domicílio.

A enfermeira Mônica Bochart, diretora da Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), lembra que na quarta-feira (3), o primeiro dia da vacinação de 80 anos foi marcado por ansiedade. No total, cerca de 558 idosos acima de 80 anos foram imunizados. Na quinta-feira (4), o movimento estava mais tranquilo, foram 245 doses. “Peço para todos os idosos, acima de 80 anos se dirigirem aos pontos fixos, as escolas para fazer a vacinação, porque está tranquilo, principalmente no período da tarde, bem baixo o movimento”, solicitou Mônica Bochart, ressaltando que para os acamados é necessário o cadastro na Unidade Básica de Saúde.

“Se porventura alguém tem um acamado que a área é descoberta e não teve contato com a UBS, vá a Unidade Básica dê o nome e telefone e nós iremos vacinar, somente os acamados nesse momento”, sublinha a enfermeira.

Mônica Borchat, coord. do DAB

Repercussão

Quem estava muito ansioso no Bairro Morada Nova, na Escola Paulo Umbelino, para ser imunizado é o aposentado Valdemar Santa Policarpio, de 81 anos. “Eu ficava ligado 24 h na televisão esperando a minha idade chegar, até que ontem recebi a informação que iria ter a vacina aqui e me sinto realizado após ser vacinado, protegido, despreocupado quase totalmente, porque ainda tem outra dose, e para mim foi vitória. Fui muito bem recebido por vocês aqui, porque o que mais nós precisamos é a saúde”, completa o idoso.

Valdemar Policárpio

Na mesma escola o aposentado Otalício Viana Braga, 82 anos, saiu animado da sala de vacinação. “Estou com sensação que terei uma vida longa, vacinei e agora estou tranquilo graças a Deus. Estava esperando por esse dia e por essa hora, agora é esperar a segunda dose daqui três meses”, comemora ele.

Otacílio Braga

“Estou feliz, graças a Deus após ter tomado a vacina. Estou me sentindo em paz e protegida. Tenho vizinhos com a mesma idade e não querem vacinar, então tenho que incentivá-los”, destaca a idosa Terezinha de Jesus Pereira Soares, 83 anos, moradora do Bairro São Félix.

Terezinha de Jesus

 DRIVE-TRHU

Na Escola Irmã Theodora, Bairro Liberdade, o servidor público federal Ricardo Almeida levou a sua mãe Maria Lucia Chaves Reis, de 81 anos, para vacinar no drive-thru. Para ele a vacinação é de extrema importância. “Até mesmo porque é uma doença muito grave. Eu pretendo que minha mãe continue na terra um pouco mais comigo, até porque ela ela só tem a mim aqui na cidade e também porque tenho um trabalho que vou muito à rua, ela tem de estar protegida em casa”, disse.

Maria Lúcia Chaves
Ricardo Almeida

Doralina Batista, também de 81 anos, teve um AVC e paralisou o braço e a perna, com dificuldade para se locomover ela foi vacinada dentro do carro. “Eu estou mais feliz e mais aliviada do corona, porque fui vacinada, não doeu nada a injeção, aconselho outras pessoas virem vacinar”, afirma a idosa.

Doralina Batista

Veja outras fotos:

Texto: Emilly Coelho
Fotos: Aline Nascimento