COVID-19: Mesmo sem casos em Marabá, SMS capacita profissionais e orienta prevenção

Secretaria Municipal de Saúde realiza capacitação sobre o corona vírus para servidores da saúde

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), já tem um fluxograma de atendimento montado para atender pacientes que se enquadrem nos sintomas do COVID-19. Até o momento, o único caso suspeito no município já foi descartado e Marabá segue sem registrar casos do corona vírus.

No podcast publicado na última sexta-feira (13), nas redes sociais da prefeitura, a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, enfermeira Sabrina Acioly, afirma que o corona vírus é um vírus já conhecido no País, onde este é um novo subtipo. Ele atua como o vírus da gripe, logo, um vírus respiratório, cuja transmissão é como da gripe, através de gotículas.

Caso o município receba pacientes infectados com o vírus já há um fluxograma montado pela SMS, onde a Secretaria reuniu todas as diretorias da SMS e ainda os hospitais públicos e privados do município. “Reuniu-se e definiu-se um fluxograma de atendimento para esse paciente, para aquele que que se enquadre na definição de casos suspeitos. Não é só ter os sintomas, uma das definições para que se suspeite do paciente, é que ele tenha ido para um dos países que tenham transmissão direto da doença”, detalhou Sabrina Acioly, acrescentando que a população de Marabá deve ficar tranquila, pois não há aqui caso de corona vírus.

A diretora da Vigilância em Saúde destaca ainda que as barreiras nos aeroportos são realizadas a nível nacional pela Anvisa, e nos municípios pela Vigilância Sanitária. “Orientações são disponibilizadas nos aeroportos, sinais sonoros informando sobre os cuidados, prevenção, onde procurar, caso apresente alguns dos sintomas”, sublinhou a enfermeira.

Para os profissionais de saúde a SMS está começando com capacitações, tanto da rede pública como privada. A enfermeira alerta que o profissional de saúde deve usar máscara, não só diante de um paciente suspeito de corona vírus, uma vez que, existem vários outros tipos de vírus respiratórios, e que a transmissão é a mesma forma do corona vírus. “As barreiras e os meios de prevenção não são apenas para o corona vírus que está aí na mídia, e que está todo mundo preocupado, mas para outros vírus respiratórios também’”, frisou ela.

Servidores participam de capacitação

Prevenção

Quanto à prevenção Sabrina destaca que além do uso de máscaras, as mãos devem ser lavadas frequentemente com sabão normal e a desinfecção das mãos com álcool 70. Sobre diferenciar a gripe comum do corona vírus, Sabrina lembrou que os sintomas são os mesmos como febre, tosse, entre outros, somente um exame para detectar. “O paciente precisa ter estado em um dos países relacionados pela organização Mundial de Saúde”, enfatizou.

O tratamento é hidratação, uso de antitérmicos e observação desse paciente. As medidas de higiene são as lavagens das mãos normal com água e frequentemente, evitar tocar a boca e os olhos com as mãos não lavadas, evitar contato próximo com pessoas doentes, ficar em casa quando estiver doente, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com lenço e papel, e jogar o papel no lixo, evitar colocar as mãos ao respirar, colocar o braço. Ademais, limpar e desinfetar os objetos tocados com frequência, e o contato de cumprimento. Evitar locais com aglomeração de pessoas.

Não há medicação específica para o Convid-19, tampouco vacinas. Porém, o suporte clínico pode ser realizado por meio de medicação para tosse e febre, acompanhamento e isolamento.

Texto: Emily Coelho
Fotos: Divulgação

Acessibilidade