Saúde: Médica Infectologista orienta sobre como evitar o Coronavírus

A médica infectologista, Cláudia Dizioli, esclarece sobre as formas de contágio e prevenção que a população deve tomar para evitar a COVID-19 no município.

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em 31/12/19, após casos registrados na China. A doença se alastrou rapidamente e infectou 235.166 pessoas pelo mundo, até esta quinta-feira (19), causando 9.774 mortes. No Brasil, já são 609 casos positivos e 7 mortes. No estado do Pará, o primeiro caso foi confirmado na capital Belém.

Para informar ainda mais a população sobre o novo Coronavírus (COVID-19), a médica infectologista Dra. Cláudia Dizioli, que atende na rede municipal de saúde, esclarece algumas dúvidas sobre as formas de contágio e como se proteger deste vírus.

Segundo a especialista, o coronavírus causa um quadro gripal que se inicia com uma febre alta e depois uma tosse seca, sem muita secreção, diferente da gripe comum que tem muita secreção nasal. A pessoa que contrai o vírus tende a ter dificuldade de respiração e, além da falta de ar o paciente sente fortes dores musculares, e em alguns casos o quadro pode evoluir rapidamente e a falta de ar se agravar.

Contágio

De acordo com a especialista, o contágio ocorre principalmente de pessoa para a pessoa, por secreções respiratórias, salivas, tosses, espirros e esta é a principal causa de contaminação. A especialista explica ainda que essas secreções que limpamos e passamos em alguns objetos, outras pessoas podem vir tocar e se contagiar, por isso se dissemina rapidamente.

Prevenção

Para se proteger do vírus COVID-19 a principal ação é lavagem de mãos, sendo essencial lavar com água e sabão e por aproximadamente 20 segundos, logo após a lavagem secar e passar álcool gel nas mãos. Ao tossir levantar o braço à boca, usar lenço descartável e evitar o contato com alimentos logo após que tossiu, manter os ambientes ventilados e não frequentar espaços com muita aglomeração, pois o ideal é evitar excesso de pessoas.

“Em todos os países que combateram muito rapidamente a epidemia o isolamento social é essencial, então tem que sair da rua, não tem jeito. Tem que se ligar, tem que ficar em casa, é quarentena mesmo, evitar circulação nas ruas, não dá para viver normalmente, pois vamos acabar contaminando a todos. Vamos evitar se expor”, alerta a médica Cláudia Dizioli.

Texto: Victor Haôr
Fotos: Paulo Sérgio

Acessibilidade