SAÚDE: MUTIRÃO DE COMBATE A LEISHIMANIOSE COMEÇOU PELA FOLHA 8

As ruas da folha 08 estiveram movimentadas na manhã desta sexta-feira, 04/08. Os agentes de endemias e de saúde visitaram casa a casa, orientando os moradores sobre os cuidados com o lixo nos quintais e com o armazenamento da água para evitar a proliferação dos mosquitos Flebótomo e Aedes Aegepyti, transmissores da leishmaniose e da dengue.

Enquanto uma equipe de saúde realizava as visitas domiciliares, profissionais da Secretaria de Saneamento Ambiental, trabalhavam na limpeza. Três caçambas e uma pá-carregadeira foram utilizadas para a coleta de entulhos.

Numa tenda montada pelo o Exército Brasileiro, em frente à Escola Odílio Maia, os agentes de endemias vacinavam os cães e os gatos do bairro levados ao local. Dentro do estabelecimento, os moradores encaminhados por agentes de saúde receberam atendimento médico com o clinico geral.

Dona Gilda Maria ficou satisfeita com a ação. Segundo ela é grande o número de animais abandonados na rua e a preocupação é com a leishmaniose que já matou dois animais de estimação. Ela acredita que o Flebótomo esteve no quintal da casa dela. “Eu criava uma cadela desde pequena, uma vira-lata, mas quando ela completou sete meses, olhava as galinhas, aí deu leishmaniose nela e morreu. Criei também um Pitbull e morreu da mesma doença. O cachorro ficou todo cheio de feridas e com as patas inchadas”, descreve a dona de casa.

Denilson Castro também gostou de ver o programa “Mais Saúde” no bairro. Ele sabe da importância do acompanhamento dos profissionais no controle das endemias. “Eu já estava pensando em levar minha cachorrinha, a Mel, lá no Centro de Controle de Zoonoses, para vacinar e outras coisas, mas como a prefeitura trouxe o serviço para o nosso bairro, para perto de nós, ficou muito bom. Tem muita gente que está precisando dos serviços”, enfatizou o cabeleireiro.

Segundo o coordenador do Departamento de Endemias e de Vigilância Ambiental, José Amadeu Moreira, a coleta de entulhos deve continuar até este sábado, se for necessário.  “Nós vamos visitar todas as casas, queremos que os moradores limpem suas casas, seus quintais e tire tudo que for entulho colocando na frente da residência para a prefeitura coletar.  Começamos a enfrentar o problema de frente. A leishmaniose é uma realidade e nós temos que reduzir os índices, isso vai acontecer a médio prazo. É um trabalho gradativo e temos de contar com o apoio da população”, ressalta o coordenador.

O programa “Mais Saúde” é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Controle de Zoonoses. O calendário dos mutirões deve se estender durante o mês de agosto até atingir todos os locais considerados de risco, por causa do alto índice de vetores detectado em pesquisas.

Só este ano, foram confirmados 51 casos de pessoas contaminadas com leishmaniose, em Marabá, sendo que 01 dos casos, evoluiu para a óbito.

 

ACESSIBILIDADE
X