Saúde: Secretária de Saúde, Dármina Duarte, esclarece sobre casos no Hospital Materno Infantil (HMI)

Nesta quarta-feira (16), a Secretária Municipal de Saúde (SMS) Dármina Duarte, esclareceu sobre os três casos recentes ocorridos no Hospital Municipal Materno Infantil (HMI), reafirmando o compromisso dos profissionais do Hospital em realizar o melhor atendimento à população de Marabá.

Caso da parturiente Simone de Souza Nascimento, de 29 anos, que morreu após complicações no parto.

Secretária: “O HMI vem passando por vários processos de melhorias em sua infraestrutura e de atendimento. O caso da parturiente foi o primeiro de 2019. No ano passado tivemos mais de 5 mil partos e apenas evoluiu a óbito, estamos dentro do que é aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelas ONG’s. Neste caso da Simone, nós ainda estamos em acompanhamento. Fizemos as diligências, encaminhamos a documentação tanto para o Ministério Público (MP, quanto para os órgãos competentes, como o Conselho Regional de Medicina (CRM) e montamos uma comissão para fazer a apuração dos fatos. Tudo que foi necessário ser realizado por esta secretaria, temos feito. Nós não estamos aqui para não falar o que de fato é verdade. E a direção daquela casa de saúde está aberta também para explicar sobre o caso. São coisas fatídicas que acontecem, porém o volume de atendimentos que são feitos ali é muito grande e infelizmente essa parturiente veio a óbito”.

Caso da paciente Maiany de Fátima Silva Ferreira

Secretária: “Na verdade, estamos apurando todos os casos a fundo. Em relação a este, a paciente estava em sua 7ª gestação e todos sabemos que quanto mais partos cesáreos tiver, mais aderências você vai ter. O médico que a atendeu, ainda tentou reparar um pouco essa aderência, fazendo meio que uma cirurgia plástica, mas a pele nem sempre retorna ao seu estágio normal. Todos os seus filhos foram prematuros, o Hospital Regional (HR) já é consciente do caso dela e já é o quinto sem problemas. O que se nota é que o HMI está na mídia, mas o que a população precisa observar são os números de partos que são realizados lá. Em alguns meses são realizados cerca de 600 partos. É um grande número, e o que se acompanha na mídia são as pessoas falando sem ter conhecimento de causa. Falam o que não entendem e isso mexe até com a autoestima dos profissionais da casa de saúde. Existem servidores que vivem aquele hospital, se doam pelo HMI. Tem pessoas que são comprometidas e mantemos uma equipe de profissionais excelentes e prontos a lhe atender. Nós temos trabalhado muito o atendimento e a humanização com os profissionais, e que isso possa vir a refletir na população”.

Recém-nascido foi a óbito no dia 15 de janeiro

Secretária: “Aconteceram óbitos de RN (recém-nascidos) no ano passado também, mas como o hospital está na mídia, se volta tudo pra este momento. As mulheres precisam trabalhar o seu pré-natal, pois é importante antes mesmo de você engravidar. Nós recebemos pacientes de 18 municípios. Sabemos que esta paciente estava há três dias no município de origem perdendo líquido. Ela não passou pela regulação da Secretaria de Saúde, ou por nenhum posto de saúde, simplesmente chegou em uma ambulância e a deixaram lá. Ela tinha algumas complicações e a criança estava com duas circulares de cordão. São situações que em que somos bombardeados, é jogado pra nós e se não atendermos somos omissos. Muitos colocam as pacientes nas ambulâncias e deixam lá no portão. Pacientes que não fazem pré-natal e que possuem patologias. Eu puxei um relatório, um levantamento de pacientes que não fizeram regulação pelo materno, veja bem, de junho a dezembro do ano passado 529 gestantes deram entrada no HMI sem serem reguladas pelo Materno, mas não podemos ser omissos e temos que atender. Esses são fatores que deixam o HMI sempre muito lotado e não podemos deixar de atender”.

Planejamento para humanização no atendimento e implantação do SAC

Secretária: “Desde que assumimos, uma das ações que sempre pensamos foi o planejamento para humanização. A saúde não para, são 24 horas diretas e até parar pra planejar é difícil. Todas as terças, as diretorias se reúnem para discutir e o primeiro ponto de pauta é a melhoria no atendimento. No HMM, já temos uma equipe de humanização, que vem fazendo esse trabalho e não é fácil. Colocamos alguns pontos de humanização até chegar ao paciente e um deles são as ouvidorias estive conversando com o secretário de comunicação para implantar um SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão), onde a população pudesse ter um acesso mais fácil para ser ouvido e estamos encaminhando essas propostas ao gestor para implantar as ações. Em cada unidade teremos uma caixinha para receber as sugestões e as ouvidorias estarão recolhendo as informações, críticas ou elogios. O ser humano é movido a isso, e nós vamos utilizar algumas metodologias para que o servidor tenha mais trato com as pessoas”.

Reforma na estrutura

Secretária: “Desde o ano passado já fizemos o projeto de reforma, tanto no HMI quanto no HMM. No HMI já foi licitado e só aguardamos o início das obras, mas já iniciamos, inclusive a troca de alguns móveis. Outros pequenos serviços já estão sendo executados também no HMM. Os dois prédios estão passando por adequações para melhoria no atendimento ao cidadão”.

ACESSIBILIDADE
X