Saúde: Serviço de Tratamento Fora de Domicílio tem cerca de 2 mil pacientes ativos

0

Desde setembro os serviços de Tratamento Fora de Domicílio (TFD) e Regulação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) possuem um novo local de atendimento, no novo Centro de Especializações Integradas (CEI), na Rodovia Transamazônica. O serviço de TFD, disponibilizado pela Prefeitura, garante passagem de ida e volta, ajuda de custo, meio de transporte e atendimento médico em outra cidade para pacientes que necessitam de algum tratamento e ainda não existe no município.

Atualmente, há 1929 pacientes ativos que utilizam o serviço em Marabá. A coordenadora do TFD, Lucilea Paz, conta que o serviço também disponibiliza passagens para um acompanhante do paciente e auxilia nas questões fúnebres, caso necessário. “Primeiro os pacientes procuram a Unidade Básica de Saúde (UBS) e lá faz seus exames e, caso o médico, por ver o exame, detectar que o paciente necessite fazer um tratamento que não tenha município, ele preenche o laudo do TFD e o paciente começa a fazer o procedimento até a viagem”, contou, esclarecendo que o novo espaço garante atendimento mais ágil.

“Houve melhora gigantesca com a mudança de lugar. Os próprios pacientes falam, devido contato direto com paciente, espaço maior, tudo mais acessível. Hoje você sai da recepção, vai para o atendimento e já vai na sala do médico e a assistente social. Melhorou 100%”, disse.

Esse procedimento consiste em dar a entrada na regulação com documentos pessoais, cartão SUS e comprovante de endereço. Após passar pela regulação, dá nova entrada no TFD e fica aguardando o agendamento para ser chamado para fazer a viagem ao local mais próximo que disponha da consulta, cirurgia ou qualquer outro serviço que o município não possua.

O coordenador geral de regulação, Marqueyd Araújo Barros, explica que a regulação  é feita pelo SISREG, sistema online, criado pelo Ministério da Saúde, que regula da rede básica à internação hospitalar, visando a humanização dos serviços, maior controle do fluxo e otimização na utilização dos recursos. “Toda UBS hoje em dia tem seu operador de regulação. Após a consulta ele cadastra e regula o procedimento, daí é gerado o direcionamento desse usuário do SUS, seja consulta, cirurgia ou TFD. Se for hospitalar ele procura a gente, nós regulamos e ele aguarda em fila. Todas as consultas o usuário deve levar a autorização do Sisreg, que é um espelho fornecido pela UBS e um encaminhamento médico.  Após autorizado ele pega o espelho em qualquer UBS”, explica Marqueyd.

O motorista, Antônio Ledo, sempre acompanha sua mulher, Eliene da Cruz Santos, nas viagens que ela precisa realizar periodicamente, em Belém. “Ela tinha hemorragia interna, sangrava demais. Nós recebemos ajuda de custo, viajávamos de 90 em 90 dias para fazer tratamento. Depois de 6 em 6 meses e agora será anualmente. Essas passagens e custeio da viagem foram essenciais, senão hoje ela não estaria mais aqui”, conta Antônio.

Texto: Osvaldo Henriques
Fotos: Paulo Sérgio dos Santos 

Nenhum Comentário

ACESSIBILIDADE
X