Seagri: Mais de 4.600 famílias atendidas com mecanização agrícola em 2020

(11 de janeiro de 2021)

A Seagri também deu continuidade aos serviços de distribuição de sementes, mudas, adubos, kits de irrigação e agricultura, assistência técnica, entre outros serviços de incentivo ao produtor.

A Agricultura Familiar é um dos principais alvos da Secretaria Municipal de Agricultura de Marabá (Seagri) e em 2020, apesar da crise provocada pelo novo coronavírus, o setor teve grandes avanços, como aponta o gestor da pasta, Adailton de Sá. Só no ano passado, mais de 700 famílias foram atendidas com o serviço de mecanização.

 “Nós conseguimos com os cuidados necessários. Não paramos! Continuamos na secretaria atendendo a Agricultura Familiar que é o foco desta secretaria”, enfatiza o secretário.

Na avaliação de Adailton Sá, os principais avanços foram mesmo na mecanização que nos últimos quatro anos subiu de 333 atendimentos para 4.664 famílias atendidas. Para isso, a Seagri contou com estruturação como entrega de máquinas pesadas, a maioria oriundas de emendas parlamentares,  a exemplo do deputado federal Arnaldo Jordy e do senador Flexa Ribeiro, a pedido do ex-vereador  Mariozan Quintão.

“Para se ter uma comparação, quando nós chegamos aqui só existiam 2 tratores, hoje já temos 20 tratores. Em 2020, ganhamos uma retroescavadeira do Coman [Conselho Municipal de Meio Ambiente]”, ressalta o secretário, destacando que entre os veículos e implementos recebidos pela a Seagri estão uma carreta agrícola, dois tratores agrícolas, uma grade aradora, roçadeira e uma grade niveladora.

Produção e distribuição de Mudas

Por outro lado, a Seagri tem investido também em produção de mudas. Foram mais de 1 milhão nos últimos 4 anos. A doação de mudas frutíferas e de essências florestais, realizada pelo Viveiro da Secretaria Municipal de Agricultura (Seagri), teve o ciclo interrompido em abril por conta da pandemia. No entanto, mais de 64 mil plantas foram doadas no primeiro quadrimestre de 2020 aos produtores dos mais diversos projetos de assentamentos.

Dentre as espécies mais procuradas estão o açaí precoce, o BRS Pará, desenvolvido pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária); açaí comum, cacau e cupuaçu. A estimativa de produção anual do viveiro, que era de aproximadamente 800 mil mudas/ano, está no momento com 1.051.990 de mudas de espécies nativas florestais e frutíferas, sendo cerca de um milhão só de açaí, segundo a Seagri.

Vale lembrar, que o Viveiro da Seagri tem parceria com diversos órgãos e instituições de fomento à agricultura familiar, entre eles destacam-se ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Pesca,  Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), Embrapa, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) e Fundação Casa da Cultura de Marabá.

Também existem parcerias com associações de projetos de assentamentos e produtores rurais, muitos dos quais colaboram com doação de sementes para produzir de mudas,  informa a secretaria, que também tem trabalhado na melhoria de pastejo. “Conseguimos fazer a distribuição de 155 kits de irrigação e 190 kits de agricultura. Distribuímos 1.200 toneladas de calcário, 50 toneladas de adubo. Fizemos 40 pastejo rotacionado e estamos tocando a coisa para frente pra ver se esse ano conseguimos melhorar”, pondera o titular da Seagri.

Uma novidade trabalhada pela Seagri em 2020 foi a produção do capim Capiaçu no campo experimental, no Parque de Exposição de Marabá. A plantação faz parte do Projeto de Fomento à Produção do Gado Leiteiro no município, onde cerca de 300 famílias seriam beneficiadas com o projeto.

Distribuição de sementes

Já em relação a entrega de sementes o destaque foi para o Cacau. Entre 13 e 14 de junho de 2020, foram doados 97.400 sementes de cacau para 96 famílias de agricultores das regiões do Tapirapé e do Contestado. Além das mudas e sementes, foi distribuído adubo, sacos para mudas e os técnicos da Seagri deram orientação, assistência e treinamento sobre técnicas de produção de mudas, confecção de viveiros, implantação e manejo de cultura.

A aquisição das sementes é feita em parceria com o Ideflor-Bio Carajás (Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará) e acontece diretamente com a Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira). Os agricultores são sempre orientados a plantar através do Sistema Agroflorestal (SAF), esclareceu a agrônoma Eide Francis Ramos Nogueira, coordenadora do Setor de Assistência Técnica Rural.

Laboratório de Solo e pátio de compostagem

O funcionamento do Laboratório de Solo da Seagri tem sido de suma importância para auxiliar no plantio. De acordo com o agrônomo Marcos Lira, a prioridade das análises de solo é para grupos de agricultores familiares, que solicitam essa ajuda para melhorar a qualidade da terra, ou seja, verificar o potencial e corrigir, para ter melhor produção.

2020 ficou marcado também para os horticultores dos Residenciais Tiradentes e Jardim do Eder, que viram as obras de construção dos pátios de compostagem serem iniciadas. A obra faz parte do projeto “Põe no Balde”, idealizado pela Seagri para reciclagem de resíduos orgânicos e irá beneficiar cerca de 100 produtores da agricultura familiar daquela área. “Temos construído e fortalecido duas hortas comunitárias na região, gerando emprego, e faremos entregas de barracas para feira do produtor, afim de que seja escoada a produção das hortas”, comenta Marcos Paulo Eleres, secretário adjunto da Seagri.

O objetivo da compostagem é de aproveitar sobras de alimentos, como cascas de frutas, comida, borra de café, entre outros, produzidas nos próprios residenciais, que servirão de adubo nas hortas para as próprias comunidades.

Entre as vantagens dessa técnica estão o fornecimento de material rico em nutrientes, que melhora o desenvolvimento da produção, a característica do solo, dispensa o uso de fertilizantes químicos, reduz a quantidade de resíduos para os aterros sanitários, propicia o retorno da matéria orgânica de forma produtiva, além de gerar emprego e alimento saudável para a população marabaense.

Lacticínio Piquiá

A Prefeitura trabalha para concluir a obra de construção do Laticínio Piquiá, próxima à Vila Sororó. A obra irá atender mais de 50 produtores da região. O prédio conta com três blocos, sendo o principal com laboratório, salas de pasteurização, de fabricação de queijo, de embalagem e de estocagem. Outro bloco contém escritório, vestiários feminino e masculino, cantina e lavanderia. Há também um bloco exclusivo para o depósito. Segundo a Secretaria de Agricultura (Seagri), o prédio irá gerar cerca de 40 empregos diretos e mais de 100 indiretos. Produzindo 20 mil litros de leite por dia que serão utilizados para produção de queijo.

“Serão produzidos cerca de dois mil quilos de queijo por dia, do tipo padrão, curado e massa cozida. Além disso, a construção do laticínio irá fomentar um novo polo de negócios para a Vila Sororó”, comenta o Coordenador do Departamento de Defesa Agropecuária (Defag) da Seagri, Odilon José Claudio Soares.

Expectativas para 2021

Visando ainda mais conquistas na Agricultura Familiar, o secretário Adaílton Sá, afirma que a meta é buscar ainda mais melhorias no setor que beneficiou tanto a zona urbana, a exemplo, dos horticultores, quanto à zona rural. “Pedir a Deus que esse corona vá embora para que a gente possa trabalhar com mais liberdade e que nossas equipes atendam bem aos produtores pra desenvolver um projeto ainda melhor” confia o secretário.

Para ter acesso aos serviços da Seagri os produtores podem buscar atendimento por meio de associações ou individualmente, na própria secretaria, localizada na Agropólis do Incra.

Texto: Leydiane Silva
Foto: Arquivo PMM