Seaspac: Centro Integrado da Pessoa Idosa adota medidas contra coronavírus

Ao entrar no Centro Integrado da Pessoa Idosa Antônio Rodrigues (Cipiar) você já percebe a diferença. Um funcionário com álcool em gel fica responsável por higienizar as mãos e materiais de qualquer pessoa que frequente o local. Essa é apenas uma das medidas adotadas pelo Centro para prevenir a saúde dos cerca de 20 idosos que convivem no local, enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, a covid-19.

Todos os eventos que costumam acontecer no local já foram cancelados por tempo indeterminado. As visitas rotineiras, que costumavam acontecer com as igrejas e com estudantes também estão suspensas enquanto durar a pandemia. A coordenadora do Cipiar, Onete Feliz Fonseca, conta que todas visitas também estão restritas, sendo possível receber no máximo duas pessoas por vez, “mas somente em casos extremamente necessários”, solicita Onete.

Onete Feliz

Ao acordar, os idosos estão tomando doses reforçadas de vitamina C, caso algum idoso manifeste algum sintoma de gripe já é utilizada a máscara de proteção e ele é orientando a manter distância dos demais. Os utensílios como talheres, copos, pratos foram nomeados, para que os idosos não compartilhem os mesmos objetos. Também foram colocados álcool 70% em todos os cômodos do Centro.

Funcionários do HMM visitam o Centro

Um dos grandes problemas encontrados pela equipe do Centro é a resistência dos idosos em executar as medidas de prevenção. “Muitos querem sair, ir à feira, não entendem por que a movimentação no centro diminuiu. Por isso decidimos realizar uma palestra, falar para eles da gravidade do caso e ter alguém de fora falando que eles tem que usar máscara e evitar certos comportamentos.”, explica Onete.

Diante dessa necessidade, nessa quinta-feira (19), uma equipe do Hospital Municipal de Marabá (HMM) esteve no local e apresentou aos idosos e funcionários do local as informações básicas sobre o novo coronavírus e a postura que devem ter durante a pandemia. “Viemos para informar sobre o tipo de exposição que deve ser evitado, qual procedimento que os funcionários devem adotar, conversar com os idosos sobre a necessidade de levar a sério e dar para eles a dimensão da doença”, destaca a enfermeira e Chefe da Comissão de Epidemiologia do HMM, Fernanda Marayze.

Fernanda Marayze

Fernanda também destacou que há hoje 15 profissionais na rede de saúde, altamente capacitados para coleta do material para identificação desse coronavírus, caso necessário. A enfermeira, Nylane Valente da Silva, conversou com os idosos sobre a necessidade de lavar as mãos com maior frequência. “Lava as mãos cantando, ou rezando, demore mais tempo enxaguando. Usem a máscara, tossir sempre cobrindo com o braço. É muito importante furar essa resistência”, comenta.

Nylane Valente

O idoso Antônio Souza, idade desconhecida, disse que aprendeu muito com a palestra e prometeu seguir as recomendações. “Gostei muito. Muito informativo. Vou me esforçar para cumprir tudo que foi pedido”, disse.

Antônio Sousa

Prevenção:

Higiene frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70%
Evitar tocar olhos, nariz e boca, principalmente quando não higienizados
Evitar contato com pessoas gripadas
Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, com cotovelo flexionado ou utilizando lenço descartável
Evitar contato com pessoas e se possível, ficar em casa
Limpar e desinfetar objetos e superfícies com frequência

Texto: Osvaldo Henriques
Fotos: Paulo Sérgio 

Acessibilidade