Seaspac: Cipiar mantém rotina especial e reforça atendimento médico durante quarentena

“Desenvolvemos mais atividades para que não sintam faltas das visitas, do menor fluxo de pessoas e dos passeios. Hoje percebemos que todos estão bem.”

Desde março a rotina no Centro Integrado da Pessoa Idosa Antônio Rodrigues (Cipiar), localizado no Novo Horizonte, segue diferente. Os idosos abrigados pelo Centro estão sem receber visitas e seguindo uma rígida rotina de prevenção ao novo Coronavirus. A visita do geriatra, que antes era realizada quinzenalmente, agora passa a acontecer toda semana.

A rotina foi completamente mudada para garantir a saúde mental dos idosos, sem se expor ao contato com o vírus. A coordenadora do Cipiar, Onete Feliz, explica que o isolamento social aumentou o número de depressão e de surtos entre os idosos. “Estavam se tornando agressivos e com a autoestima lá em baixo. Para revertemos isso mudamos totalmente a rotina deles e também realizamos uma consulta com psiquiatra”, explica.

As seções com educador físico, psicólogo e assistente social, que já eram de praxe do centro, continuam acontecendo normalmente. “Desenvolvemos mais atividades para que não sintam faltas das visitas, do menor fluxo de pessoas e dos passeios. Hoje percebemos que todos estão bem. Nosso geriatra também e fisioterapeuta e já verifica toda problemática, visita os quartos e faz os encaminhamentos”, relata Onete.

Eventualmente os idosos também realizam passeios pela cidade em um ônibus da Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac), mas sempre usando máscaras e com os vidros fechados. Durante o passeio a equipe que permanece no local aproveita para fazer a higienização do Cipiar.

Os funcionários que entram no Centro tomam todas as medidas de precauções possíveis. Álcool nas mãos, bacia com hipoclorito de sódio para higienizar o sapato, máscaras e distanciamento social.  Visitas externas ainda não são aceitas.  “Eles sentem falta de sentar na frente do centro, ir à feira. Os passeios, as consultas e todo o trabalho da equipe buscam mitigar esses efeitos”, reforça.

Casos

O trabalho tem dado certo. Durante o período de quarentena não foi  constatado nenhum caso de Covid-19 contraído  pelos idosos de dentro do Cipiar. O único caso foi de uma idosa que seria acolhida em junho, mas foi constatada a presença do vírus. Ela foi então encaminhada ao Hospital Municipal de Marabá (HMM) aonde ficou duas semanas, para depois ir para o Hospital de Campanha aonde permaneceu mais duas semanas.

Após a recuperação ela ainda permaneceu mais 20 dias no Centro de Acolhimento POP, espaço destinado ao acolhimento provisório de pessoas adultas, antes de ir para o Cipiar. Atualmente o Centro atende a 23 idosos. Há dois novos idosos que estão em tratamento neste momento e serão acolhidos pelo Cipiar após se recuperarem da Covid-19.

O teste rápido é realizado em todos os idosos. Eles estão tomando doses reforçadas de vitamina C, caso algum idoso manifeste algum sintoma de gripe já é utilizada a máscara de proteção e ele é orientando a manter distância dos demais. Os utensílios como talheres, copos, pratos foram nomeados, para que os idosos não compartilhem os mesmos objetos. Em todos os cômodos do Centro possui álcool em gel 70%.

Veja mais fotos:

Texto: Osvaldo Henriques
Fotos: Divulgação

Acessibilidade