Semed: Da mais antiga à mais nova, escolas municipais são referências na educação

Da Escola José Mendonça Vergolino, a pioneira, ao NEI Maria da Conceição, inaugurado este mês

Duas escolas, duas realidades bem diferentes em Marabá. De um lado, com 77 anos de existência, a José Mendonça Vergolino, na Marabá Pioneira, continua sendo uma das referências na educação municipal no segmento do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. De outro, com apenas uma semana de inaugurado e ainda com “cheiro de tinta fresca”, o Núcleo de Educação Infantil “Maria da Conceição”, no Bairro Amapá, ainda está engatinhando. Inaugurado no dia 6 de março, ele está com prédio novinho da silva e ainda vai construir sua história nos próximos anos.

Neste domingo, 15 de março, comemora-se o Dia da Escola, que mesmo em tempos de internet e globalização, tem a mesma relevância. A data foi criada com o objetivo de celebrar e reconhecer o valor desta instituição, que deve fazer parte da formação de todos os jovens brasileiros.

A escola não existe sem o professor, uma figura essencial e que também recebe uma homenagem pelo seu valor. O dia do professor, no dia 15 de outubro, é muito mais conhecido em função do reconhecimento em todas as escolas do país.

Além disso, também há a obrigatoriedade de educação infantil até os 5 anos. Ou seja, o Estado é obrigado a manter instituições de ensino até que o jovem complete seus 17 anos.

A responsabilidade não se resume à oferta do ensino gratuito pela Prefeitura de Marabá, mas também recai sobre os pais, que devem matricular seus filhos em uma instituição de ensino a partir dos 4 anos. Antes disso, o ensino infantil (creche) é facultativo, podendo os pais optarem por manter seus filhos em casa.

O Código Penal Brasileiro prevê até mesmo uma pena, no artigo 246, aos pais que tirarem seus filhos entre 4 e 17 anos da escola.

Independente da idade da Escola José Mendonça ou do NEI Maria da Conceição, os dois têm a mesma função: ensinar, criar laços e desenvolver a capacidade de conviver com as diferenças na sociedade. O espaço da escola auxilia os alunos a saírem de sua zona de conforto e a respeitarem a pluralidade de pensamentos.

JOSÉ MENDONÇA “PIONEIRA”

A atual diretora da Escola José Mendonça, Nilva Maria Américo Gomes conta que ela foi fundada em 1943, na gestão do então prefeito Alfredo Monção, recebendo aproximadamente 200 alunos. Por muitos anos – e até hoje, há pessoas na Velha Marabá que a chamam apenas de “Municipal”, um apelido carinhoso e que só se aplica a ela em Marabá.

Atualmente, são 620 estudantes matriculados em 11 turmas pela manhã e 11 à tarde, os quais estão sob a tutela de 16 professores. Ela dispõe ainda de laboratório de informática, sala de leitura, auditório para 138 pessoas e um ginásio coberto (o mais antigo da cidade). A escola está prestes a ser reformada por meio de um convênio entre a Prefeitura de Marabá e a Vale, devendo ganhar um espaço para os gestores e ainda uma sala de música e outra de dança.

Não são apenas as paredes grossas, janelas largas que denunciam os muitos anos da Escola José Mendonça Vergolino. As digitais do tempo também estão impressas no piso das escadas e dos corredores, que são de cerâmica São Caetano (extinta em 1997), tratados com muito cuidado e que resistiu à última reforma, no ano de 2000.

O trabalho de referência ao longo dos anos fez com que o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação) alcançasse a marca de 5,1. “Nosso ponto chave é cuidar dos alunos. Vamos atrás quando um falta. Aqui, há sentimento de pertencimento e todos cuidam da escola”, diz a diretora, que trabalha na José Mendonça há 22 anos.

NEI MARIA DA CONCEIÇÃO

O fato de ser uma das mais novas escolas da cidade não desmerece o NEI Maria da Conceição. Ele ainda terá muitas histórias para contar, embora o MEC não faça avaliação de IDEB para a primeira infância. Na verdade, a história do NEI Maria da Conceição iniciou na gestão anterior, quando começou a ser construído, mas teve suas obras paralisadas.

O prefeito Tião Miranda fez nova licitação e retomou as obras. O NEI está localizado na Avenida Aeroporto, uma das principais ruas do Bairro Amapá. O prédio foi erguido nos padrões do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Metodologias Inovadoras Pró-infância tipo B. O espaço conta com cinco blocos, sendo dois pedagógicos, oito salas de aula, fraldários, repouso e solário. O bloco administrativo possui hall de entrada, recepção, diretoria, secretaria, sala de professores, almoxarifado e banheiros adultos. Além disso, o prédio conta com banheiros infantis, cozinha, refeitório, dispensa, sala multiuso e pátio coberto. Atualmente, o NEI atende 167 crianças de 3 a 5 anos de idade, em turmas do maternal, jardim I e II.

A diretora do NEI é Maria Joilda dos Santos, que avalia ser o novo espaço uma conquista da comunidade do Amapá, que agora tem no próprio bairro um espaço para matricular os filhos menores de cinco anos.

O secretário adjunto de Educação, Orlando Morais, aponta também a importância de as escolas estarem sempre abertas às inovações de sua realidade presente, tornando ainda mais relevante o processo de aprendizagem. “O momento é favorável para as instituições de ensino e avaliarem seu papel, dando respostas às necessidades do mundo contemporâneo, que apresenta novas ferramentas de tecnologia todos os anos”, diz.

 

 

 

 

 

Texto e fotos: Ulisses Pompeu 

Acessibilidade