Semed: Escola Doralice Andrade Vieira recebe oficina de grafitagem

Alunos do 5º ano da Escola Municipal “Doralice Andrade Vieira”, no bairro Belo Horizonte, participaram da Oficina de Grafitagem em parceria com a Cosanpa (Companhia de Saneamento do Pará), de 25 a 28 últimos. O evento faz parte do Projeto Comitê Ambiental Escolar desenvolvido pela instituição de ensino. Além da prática, a oficina contou com palestra da equipe da Cosanpa sobre conscientização ambiental no tocante à utilização da água. Os desenhos reproduzidos nas paredes do pátio da escola foram feitos pelos próprios discentes, cada um com uma representatividade.

Segundo a diretora Maria da Consolação Rodrigues Morais, receber a Oficina de Grafitagem promovida pelo artista visual Bino Souza, juntamente com a equipe da Cosanpa, foi uma grande ação, uma vez que os alunos ainda não tinham noção dos conceitos de grafitagem e pichação. “Nessa oficina o Bino teve o cuidado de explicar para eles a diferença, antes eles confundiam. A grafitagem é voltada para o lúdico, trazer mais alegria, trabalhar algo que a escola está desenvolvendo um projeto, ou algo no sentido”, explicou ela.

Maria da Consolação explica que o projeto Comitê Ambiental Escolar entre outros desenvolvidos pela instituição pulam os muros da escola. “Devemos trabalhar a realidade, e não fazer com que as crianças fiquem excluídas do mundo real, proporcionando sempre vivenciar algo novo. Na prática conseguimos assimilar com mais firmeza, só a parte teórica a criança não consegue mentalizar aquilo, mas quando ela participa da construção e desenvolvimento de qualquer atividade já consegue relatar com toda propriedade”, explanou a gestora.

A aluna Maria Eduarda de Souza Alencar, de 10 anos, é aluna do 5º ano da manhã da “Doralice”. Para ela foi bom participar da oficina. “Aprendi muito, como diferenciar grafite e pichação. Outras pessoas também gostaram assim como gostei, essa foi a primeira oficina que participei, para mim foi muito bom”, elogia ela. Endossando as palavras de Maria Eduarda, Saimon Kalin da Silva Brito, da mesma idade, adorou a oficina de grafite.

“A gente aprendeu muito, ensinaram até economizar a água. Cada desenho tem sua representação, por exemplo, o desenho que fica ao meio do refeitório, a autora foi Mariane. A menina está chorando porque no planeta não está tendo água. Se não cuidarmos do nosso meio ambiente acontecerá da mesma forma conosco. Cada desenho tem sua inspiração”, informou apontando para as ilustrações de grafite.

A professora do 5º ano Patrícia Lira acompanhou os 36 alunos da turma na Oficina de Grafitagem. Ela enalteceu o trabalho cuidadoso de Bino Souza, assim como de toda equipe da Cosanpa, no tocante à palestra sobre os cuidados que temos de ter com a água. Após a parte teórica, a equipe da Cosanpa distribuiu folhas para os alunos levarem para casa e fazerem um desenho.

“Depois os desenhos foram reproduzidos numa folha maior, onde alguns foram escolhidos para grafitagem nas paredes. Todos tiveram participação. Os alunos acharam importante e levaram esse ensinamento para casa, a conscientização do meio ambiente como um todo”, detalhou a professora Patrícia, que lembrou que muitos outros como este projeto virão.

Essa já é a 4ª oficina em escolas que Bino Souza realiza dentro da temática ambiental. A Oficina de Grafitagem foi composta de aula teórica, ensinamento sobre o grafite desde sua origem. Bino utilizou exemplos da pré-história e relatos desde a cidade de Pompéia, que foi engolida com vulcão. “O fato do homem ter a intenção de fazer arte e expor suas ideias vem de muito tempo e a tendência é multiplicar essa arte. Ela não é apenas nos muros, mas também nas galerias, hoje temos vários artistas famosos nessa área. Minha ideia é tornar Marabá um grande desenho de imagens”, encerrou o artista visual.

Texto: Emily Coelho
Fotos: Paulo Sérgio e Reprodução

ACESSIBILIDADE
X