SMS: Coordenação Endemias realiza controle do Aedes na zona rural

O trabalho de visita domiciliar e fumacê já foi realizado nas Vilas Espírito Santo e Brejo do Meio A Vila Sororó e Murumuru também serão contempladas

Desde o mês de junho, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio da Coordenação de Endemias e Vigilância Ambiental, vem expandindo o controle do Aedes Aegypti para a zona rural, principais vilas, onde foi registrada com maior evidência a presença do inseto, além de manter a prevenção na área urbana, nos pontos de maior infestação, o que tornaria a população mais vulnerável aos agravos (dengue, zika e chikungunya) por ele transmitidos.

Esse trabalho no campo iniciou pela Vila Espírito Santo e consiste de visitas domiciliares, para orientação aos moradores, e bloqueio químico com borrifação de inseticida na forma de fumacê. Depois, no período de 01 a 03 de julho, a operação aconteceu na Vila Brejo do Meio. A próxima investida está prevista para o período de 15 a 17 de julho, na Vila Murumuru.

Equipe de endemias na zona rural

Segundo o coordenador de Endemias e Vigilância Ambiental, Amadeu Moreira, são duas visitas a cada localidade: antes, para conversar com a comunidade sobre a necessidade do serviço e agendá-lo e, depois, com a ação de controle do vetor de transmissão dengue. A Vila Sororó, também chamada de Canaã, será a próxima contemplada, cujo agendamento ainda não foi definido.

Na cidade, o controle do Aedes segue o curso normal, de acordo com os pontos verificados no último levantamento. Na segunda e terça-feira (06 e 07), foi executado serviço de bloqueio e visitas domiciliares no bairro Francisco Coelho (Cabelo Seco); quarta-feira e hoje (08 e 09), no Residencial Tocantins.

Em Marabá, este ano, as doenças transmitidas pelo Aedes estão sob controle. Devido ao isolamento social exigido pela pandemia do coronavírus, o Ministério da Saúde deixou de exigir aos municípios o Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), mas de acordo com Amadeu, Marabá fará um LIRAa em setembro, mês que antecede o início das chuvas, para ver onde o mosquito está mais prevalente e atacá-lo, visando manter o controle dos males por ele provocados.

Texto: João Batista
Fotos: Divulgação

Acessibilidade